Novo
Agora IDGNow! é IT Midia.com
Fazer login no IT Mídia Redefinir senha
Bem-vindo de volta,
Digite seu e-mail e clique em enviar
Ainda não tem uma conta? Cadastre-se
Logo ITMidia
Logo ComputerWorld
Logo PCWorld
Logo CIO
Logo ITForum
Salvar em Nova pasta de favoritos

+

Criar pasta
Últimos favoritos Ver todos
Últimas notícias do conteúdo : Ver todos
WhatsApp completa 10 anos: os altos e baixos do app de mensagens
WhatsApp completa 10 anos: os altos e baixos do app de mensagens
Home > Internet

WhatsApp completa 10 anos: os altos e baixos do app de mensagens

App comprado pelo Facebook em 2014 atingiu 1,5 bilhão de usuários ativos mensais. Mas também foi culpabilizado pela proliferação de fake kews

Da Redação

25/02/2019 às 17h15

Foto: Shutterstock

Há 10 anos, no dia 24 de fevereiro, era lançado o aplicativo que mudou a forma como nós nos comunicamos. O WhatsApp vinha substituir os sucintos e controlados SMSs para também abrir um canal rápido de comunicação em massa. Mas se por um lado, o aplicativo veio a aproximar muita gente, por outro foi culpabilizado por alguns efeitos colaterais. Os spams e boatos acabaram encontrando seu caminho no aplicativo, influenciando desde delicadas conversas de família a até mesmo o debate democrático. Aproveitando a data, fizemos uma retrospectiva sobre os principais recursos, altos e baixos do popular aplicativo.

1. "Manda áudios"

Talvez você não lembre da sua vida antes do recurso de áudio do WhatsApp, aquele momento quando as pessoas de fato recorriam com mais frequência aos telefonemas para ter um diálogo. Com o recurso de áudio do WhatsApp, a prática de enviar notas orais rápidas ou, bem, monólogos reticentes, se tornou lugar comum em nossa comunicação cotidiana. Mas o recurso só foi ganhar evoluções recentemente, quando a plataforma liberou a possibilidade de gravar áudios sem ter a necessidade de manter pressionado o botão do recurso e reproduzir áudios na sequência de forma automática.

2. Facebook compra WhatsApp

Foi em 2014, quando o WhatsApp atingia os 500 milhões de usuários, que o Facebook fez a oferta de comprar o WhatsApp por US$ 19 bilhões. A aposta do Facebook no mensageiro não foi um tiro no escuro. Isso porque, o Facebook soube da ascendente popularidade do aplicativo através da VPN Onavo Protect, encerrada em agosto do ano passado. Comprado também em 2014 pelo Facebook, este app ajudava usuários rastrearem e minimizarem seus pacotes de dados, mas também dava à rede social uma análise profunda de outros apps que as pessoas usavam, incluindo aí, um então simples aplicativo de troca de mensagens: o WhatsApp.

3. WhatsApp é bloqueado no Brasil

Em dezembro de 2015, o mensageiro foi bloqueado temporariamente no Brasil, após a Justiça intimar as principais operadoras de telefonia móvel a bloquear o app em todo o território nacional. Na ocasião, o Tribunal de Justiça de São Paulo afirmava que a decisão corria em segredo de justiça em uma ação criminal e a medida era uma resposta pelo WhatsApp não atender a uma determinação judicial de julho de 2015. O Telegram foi um dos mais beneficiados com a suspensão do serviço. Em três horas, o app conquistou mais de 500 mil usuários brasileiros, segundo a própria plataforma. Em maio de 2016 e em julho do mesmo ano, o aplicativo voltou a ser suspenso por tempo determinado em contextos semelhantes. Especialistas e Mark Zuckerberg criticaram a medida.

4. Criptografia de ponta a ponta

Em 2016, o WhatsApp liberou a criptografia de ponta a ponta para todos os usuários do aplicativo por padrão. Com isso, a empresa passou a garantir que todo o conteúdo das comunicações não eram mais armazenados em texto simples nos servidores do WhatsApp, da mesma forma não conseguiria descriptografar as mensagens dos usuários para acessá-las uma vez que não possuía mais as chaves de criptografia. Assim, o WhatsApp garantia que não poderia interceptar o conteúdo privado das mensagens mesmo quando solicitado por pedidos de autoridades.

5. 1 bilhão de usuários por dia

Uma série de recursos disponibilizados pelo WhatsApp, incluindo aí ligações por voz, chamadas de vídeo e até mesmo uma versão do Stories para o WhatsApp, chamada de Status, contribuíram para a "dependência" dos usuários e crescimento do aplicativo. Em 2017, o serviço atingiu 1 bilhão de usuários ativos diariamente e 1,3 bilhão de usuários ativos mensalmente.

6. Luta contra fake news

As fake news, como são chamadas as 'notícias' falsas e boatos, se tornaram uma das grandes pedras no caminho do WhatsApp. Para além de semear as discórdias no dia a dia nos grupos de família, o WhatsApp foi culpabilizado por disseminar boatos que levaram ao linchamento e morte de pessoas na Índia e no México. No Brasil, foi atribuído como plataforma para influenciar a opinião pública e política. Como resultado, o WhatsApp prometeu medidas para controlar a proliferação das fake news em seu serviço, sendo uma delas limitar o número de encaminhamento de mensagens para até 5 pessoas.

7. Chamada em grupo e 1,5 bilhão de usuários mensais

Em 2018, o WhatsApp não mostrou sinais que está desacelerando, tendo anunciado que conquistou 1,5 bilhão de usuários ativos mensais. No mesmo ano lançou uma ferramenta para viralizar com o skype: as videochamadas em grupo.

Para celebrar os 10 anos, a plataforma publicou um vídeo breve de sua história. Assista abaixo:

 

IDG Now! é agora itmidiacom. Para ler mais notícias, acesse.

 

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail
Vai um cookie?

A IT Mídia usa cookies para personalizar conteúdo e anúncios, para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar, você aceitará o uso. Para mais detalhes veja nossa Política de Privacidade.

Este anúncio desaparecerá em:

Ir para o site