Fazer login no IT Mídia Redefinir senha
Bem-vindo de volta,
Digite seu e-mail e clique em enviar
Ainda não tem uma conta? Cadastre-se
Logo ITMidia
Logo ComputerWorld
Logo PCWorld
Logo CIO
Logo ITForum
Salvar em Nova pasta de favoritos

+

Criar pasta
Últimos favoritos Ver todos
Últimas notícias do conteúdo : Ver todos
São Paulo ganha novos pontos de coleta de lixo eletrônico
São Paulo ganha novos pontos de coleta de lixo eletrônico
Home > Inovação

São Paulo ganha novos pontos de coleta de lixo eletrônico

Pontos são temporários e ficam no bairro da Lapa, em São Paulo. Iniciativa integra programação da Semana Mundial do Meio Ambiente

Flávia Albuquerque*

05/06/2019 às 8h10

Foto: Shutterstock

A cooperativa de Gestão de Resíduos de Equipamentos Eletroeletrônicos (Coopermiti) contará com dois novos pontos temporários de coleta no bairro da Lapa, em São Paulo, como parte das atividades da Semana Mundial do Meio Ambiente. Com os coletores na sede da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e no Poupatempo, o objetivo é conscientizar e educar o público para o descarte correto dos resíduos eletrônicos que se acumulam em casa. Os dois pontos já estão prontos para receber os eletroeletrônicos quebrados ou sem uso.

Segundo o presidente da Coopermiti, Alex Pereira, quando se pensa em reciclagem de eletroeletrônicos vale lembrar de que para fabricá-los é preciso extrair recursos da natureza. "Nosso celular, nosso computador, nosso secador de cabelo, nossa sanduicheira, tudo isso vem de recursos da natureza. Devasta para fabricar equipamentos que a gente precisa, porque é difícil imaginar o mundo sem tecnologia".

Por esse motivo, se esses eletroeletrônicos não forem descartados corretamente, além de aumentar o prejuízo ambiental, porque haverá poluição do solo e da água, perde-se a oportunidade de reaproveitar esses recursos que saíram da natureza, tendo então de voltar a buscar mais matéria-prima.

Pereira explicou que no Brasil há um atraso expressivo com relação à consciência ambiental, porque a maioria das pessoas acredita que o problema é dos outros ou do governo, e não se lembra de que todos são responsáveis. "Esse é um paradigma a ser quebrado porque nós, como consumidores, já nos educamos a pesquisar o fornecedor antes de adquirir o produto. Mas com o descarte, não fazemos isso. Não nos preocupamos se o local onde vamos descartar é adequado para aquele tipo de resíduo".

De acordo com Pereira, o equipamento eletrônico exige técnica para o manuseio, pois quando está montado não causa danos, mas no momento do desmonte, além de oferecer risco ao trabalhador, começa a expor alguns contaminantes. Por falta de informação, muitas vezes esses materiais são enviados diretamente para o resíduo comum e acabam em aterros sanitários, que são o pior destino para eles, porque passam a ser perigosos quando expostos ao sol e à chuva, uma vez que podem liberar substâncias como mercúrio, cádmio, cobre e cromo, entre outros.

"Não é só desmontar e reciclar, é preciso saber como desmontar e saber como separar cada parte e peça que não tem reciclabilidade. Como a gente não tem essa cultura de se responsabilizar pelo resíduo, ainda mais o eletrônico que é um pouco mais complexo, e a nossa cultura como brasileiros é de sempre esperar que tudo venha a nós, é importante disponibilizar muitos postos de coleta para tentar facilitar o descarte para o cidadão", destacou.

A Coopermiti conta com outros pontos espalhados pela cidade de São Paulo e que estão disponíveis para a população durante todo o ano. Para saber onde descartar corretamente o resíduo eletrônico, entre na página da Coopermiti na internet.

*Da Agência Brasil

 

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail
Vai um cookie?

A IT Mídia usa cookies para personalizar conteúdo e anúncios, para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar, você aceitará o uso. Para mais detalhes veja nossa Política de Privacidade.

Este anúncio desaparecerá em:

Ir para o site