Fazer login no IT Mídia Redefinir senha
Bem-vindo de volta,
Digite seu e-mail e clique em enviar
Ainda não tem uma conta? Cadastre-se
Logo ITMidia
Logo ComputerWorld
Logo PCWorld
Logo CIO
Logo ITForum
Salvar em Nova pasta de favoritos

+

Criar pasta
Últimos favoritos Ver todos
Últimas notícias do conteúdo : Ver todos
Presidente da Huawei afirma que restrições dos EUA não afetarão 5G
Presidente da Huawei afirma que restrições dos EUA não afetarão 5G
Home > Mobilidade

Presidente da Huawei afirma que restrições dos EUA não afetarão 5G

Fundador da fabricante chinesa defendeu que proibição terá impacto negativo apenas em produtos de gama inferior

Redação

21/05/2019 às 18h07

Foto: Shutterstock

O fundador e presidente da Huawei Technologies, Ren Zhengfei, afirmou nesta terça-feira (21) que as restrições dos Estados Unidos contra a empresa chinesa não vão afetar os produtos de tecnologia de ponta da companhia, particularmente o serviço 5G.

As restrições adotadas pelo Escritório da Indústria e Segurança do Departamento de Comércio dos Estados Unidos se referem à inclusão da Huawei e suas afiliadas em uma espécie de lista negra. As regras desta lista estabelecem restrições para a venda ou transferência de tecnologias dos Estados Unidos para a empresa.

Segundo Ren Zhengfei, a proibição vai ter um impacto negativo apenas em produtos de gama inferior da Huawei. Ele acrescentou, porém, que a empresa não deve restringir sua atuação de maneira prejudicar a posição de liderança em tecnologia.

"Nosso trabalho é para beneficiar toda a humanidade", disse Ren, acrescentando que o equipamento 5G da Huawei vai reduzir consideravelmente o custo de construção da rede mundial de telecomunicação.

Entenda o caso

Na semana passada, o presidente dos EUA, Donald Trump, assinou uma ordem executiva que visa impedir que empresas americanas usem equipamentos de telecomunicações feitos por "adversários estrangeiros" considerados de risco à segurança nacional.

A Huawei tem sofrido uma imensa pressão dos Estados Unidos depois de alegações de que seus produtos permitem que agências de inteligência chinesas usem supostos backdoors (porta dos fundos – método de escapar de uma autenticação ou criptografia num sistema computacional) nos softwares, que poderiam ser usadas para espionagem cibernética.

Nesta semana, Google e as fabricantes de processadores Intel, Qualcomm, Xilinx Inc e Broadcom informaram que deixarão de fornecer equipamentos à Huawei até nova ordem. Entretanto, nesta terça, a Huawei conseguiu uma licença temporária de 90 dias para que a companhia mantenha sua parceria com empresas norte-americanas. A autorização só é válida para produtos que já são vendidos e termina no dia 19 de agosto, podendo ser renovada no fim do período.

*Com informações da Xinhua, Agência de Notícias da China

 

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail
Vai um cookie?

A IT Mídia usa cookies para personalizar conteúdo e anúncios, para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar, você aceitará o uso. Para mais detalhes veja nossa Política de Privacidade.

Este anúncio desaparecerá em:

Ir para o site