Novo
Agora IDGNow! é IT Midia.com
Fazer login no IT Mídia Redefinir senha
Bem-vindo de volta,
Digite seu e-mail e clique em enviar
Ainda não tem uma conta? Cadastre-se
Logo ITMidia
Logo ComputerWorld
Logo PCWorld
Logo CIO
Logo ITForum
Salvar em Nova pasta de favoritos

+

Criar pasta
Últimos favoritos Ver todos
Últimas notícias do conteúdo : Ver todos
Microsoft versus DOJ: processo antistruste completa uma década
Microsoft versus DOJ: processo antistruste completa uma década
Home >

Microsoft versus DOJ: processo antistruste completa uma década

Acordo antitruste firmado em abril de 2000 não prejudicou participação da Microsoft, mas empresa desacelerou e abriu espaço para o Google.

Computerworld

02/04/2010 às 16h41

Foto:

Há dez anos, a Microsoft perdeu uma dura batalha com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos (DOJ) envolvendo seu domínio sobre o mercado de browsers. Hoje, ainda há um debate sobre o fato de a Microsoft ter sido realmente freada pela censura legal.

Em abril de 2000, o juiz Thomas Penfield Jackson decidiu que a Microsoft violou leis antitruste federais e estaduais e condenou a empresa a separar seu sistema operacional Windows do navegador Internet Explorer, além de pagar multas pesadas e ser submetida a anos de controle para evitar futuras atividades de monopolistas no mercado.

Agora, com a saída da Netscape, elemento chave do processo, do mercado, o Internet Explorer passou a concorrer os navegadores de código aberto Firefox e o recém-chegado Google Chrome e os desdobramentos do julgamento que durou anos ainda continuam na União Europeia para a Microsoft e agora para o Google.

A Microsoft permanece intacta - em janeiro, a empresa registrou um faturamento recorde de quase 20 bilhões de dólares no segundo trimestre fiscal -, mas a decisão tomada em 2000 significou mais escolhas na arena dos browsers e permitiu que a indústria inovasse em tecnologias que, na opinião de especialistas, a Microsoft tentou controlar em um ambiente fechado. Para outros, o cenário não mudou muito e a Microsoft continua a capitalizar os pontos fortes do seu mercado, freando a concorrência onde puder.

"O potencial estava lá para destruir a Microsoft. Eu vislumbrei um novo mundo (...) de TI", diz o diretor de tecnologia da NewBay Media, Greg Topf, de Nova York (EUA). "Percebi que grandes mudanças viriam, as implicações do acordo realmente tinham potencial para causar uma re-arquitetura total na Microsoft, mas honestamente, a mudança foi muito menor do que eu imaginava." Leia a análise completa na Computerworld.

Tags
Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail
Vai um cookie?

A IT Mídia usa cookies para personalizar conteúdo e anúncios, para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar, você aceitará o uso. Para mais detalhes veja nossa Política de Privacidade.

Este anúncio desaparecerá em:

Ir para o site