Fazer login no IT Mídia Redefinir senha
Bem-vindo de volta,
Digite seu e-mail e clique em enviar
Ainda não tem uma conta? Cadastre-se
Logo ITMidia
Logo ComputerWorld
Logo PCWorld
Logo CIO
Logo ITForum
Salvar em Nova pasta de favoritos

+

Criar pasta
Últimos favoritos Ver todos
Últimas notícias do conteúdo : Ver todos
Fundador do Telegram sugere que China está por trás de ataque DDoS
Fundador do Telegram sugere que China está por trás de ataque DDoS
Home > Internet

Fundador do Telegram sugere que China está por trás de ataque DDoS

Ataque desestabilizou serviço na quarta-feira. Pavel Durov destacou que ataque coincide com protestos em Hong Kong

Da Redação

13/06/2019 às 12h17

Foto: Shutterstock

O aplicativo de mensagens Telegram sofreu nessa quarta-feira (13) um ataque do tipo DDoS, que levou à instabilidade do serviço. Agora, o fundador da plataforma, Pavel Durov, declarou em sua conta no Twitter que acredita que o governo chinês estaria por trás do ataque. No microblog, ele sugeriu que o "ataque DDoS do tamanho de um agente estadual" veio de endereços de IP localizados na China.

Durov ainda reforçou o timing do ataque que coincide com os protestos da população em Hong Kong, onde pessoas estão usando o Telegram para coordenar as manifestações, a fim de evitar a vigilância do governo. Nesta semana, milhares de pessoas bloquearam a entrada do Conselho Legislativo de Hong Kong para protestar contra uma lei apresentada pelo governo que, se aprovada, permite a extradição de residentes de Hong Kong para a China continental.

Segundo reportagem da Bloomberg, além de utilizarem aplicativos criptografados para organizar os protestos, os manifestantes em Hong Kong também estão cobrindo seus rostos para evitar sistemas de reconhecimento facial. Da mesma forma, evitando o uso de cartões de transporte público que possam relacioná-los com suas identidades.

O Telegram informou em sua conta no Twitter que milhões de pedidos "lixo" foram feitos ao serviço, a maioria deles de IP com origem na China, como parte do ataque DDoS que impediu o serviço de ser entregue para usuários legítimos.

A plataforma ainda disse que tais pedidos tendem a ser feitos por botnets, redes de computadores infectados com malware. O Telegram informou que o serviço teria voltado a sua normalidade e garantiu que os dados dos usuários estão seguros.

 

 

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail
Vai um cookie?

A IT Mídia usa cookies para personalizar conteúdo e anúncios, para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar, você aceitará o uso. Para mais detalhes veja nossa Política de Privacidade.

Este anúncio desaparecerá em:

Ir para o site