Fazer login no IT Mídia Redefinir senha
Bem-vindo de volta,
Digite seu e-mail e clique em enviar
Ainda não tem uma conta? Cadastre-se
Logo ITMidia
Logo ComputerWorld
Logo PCWorld
Logo CIO
Logo ITForum
Salvar em Nova pasta de favoritos

+

Criar pasta
Últimos favoritos Ver todos
Últimas notícias do conteúdo : Ver todos
Cientistas passam a armazenar dados em moléculas menores que o DNA
Cientistas passam a armazenar dados em moléculas menores que o DNA
Home > Inovação

Cientistas passam a armazenar dados em moléculas menores que o DNA

Soluções contendo açúcares, aminoácidos e outras moléculas pequenas também poderiam substituir discos rígidos, aponta pesquisa

Da Redação

12/07/2019 às 7h26

Foto: Shutterstock

Em 2018, cientistas conseguiram utilizar o DNA para o armazenamento de dados. Agora, pesquisadores da Brown University descobriram uma maneira de fazer o mesmo usando moléculas ainda menores.

De acordo com o estudo, soluções contendo açúcares, aminoácidos e outras moléculas pequenas também podem substituir os discos rígidos. Na pesquisa, os cientistas foram capazes de armazenar e recuperar as imagens de um gato, uma tumba egípcia, um íbex e uma âncora com precisão de 99%.

Para os testes, os pesquisadores criaram misturas de metabólicos comuns - soluções contendo açúcares, aminoácidos e outras pequenas moléculas que o corpo humano e outros organismos utilizam para digerir alimentos e para realizar outras funções químicas. Depois, foram utilizados robôs de manipulação de líquidos para inscrever as informações digitais nas moléculas.

"Um disco rígido molecular ou um computador químico ainda podem parecer ficção científica, mas a biologia nos mostra que isso é possível", comemora Jacob Rosenstein, líder do projeto.

As moléculas de metabólito são muito menores que o ácido desoxirribonucleico, e há grande variedade delas. "Em comparação com o DNA, nossos dados de metabólitos têm latência menor, permitindo a rápida inscrição e leitura de conjuntos de dados do início ao fim", afirma Rosenstein. Por outro lado, o cientista explica que o DNA ainda é superior para codificar grandes conjuntos de dados.

 

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail
Vai um cookie?

A IT Mídia usa cookies para personalizar conteúdo e anúncios, para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar, você aceitará o uso. Para mais detalhes veja nossa Política de Privacidade.

Este anúncio desaparecerá em:

Fechar anúncio