Fazer login no IT Mídia Redefinir senha
Bem-vindo de volta,
Digite seu e-mail e clique em enviar
Ainda não tem uma conta? Cadastre-se
Logo ITMidia
Logo ComputerWorld
Logo PCWorld
Logo CIO
Logo ITForum
Salvar em Nova pasta de favoritos

+

Criar pasta
Últimos favoritos Ver todos
Últimas notícias do conteúdo : Ver todos
Cientistas criam, pela primeira vez, organismo com genoma sintético
Cientistas criam, pela primeira vez, organismo com genoma sintético
Home > Inovação

Cientistas criam, pela primeira vez, organismo com genoma sintético

Material genético de bactéria foi totalmente redesenhado com a ajuda de computadores. DNA foi criado com sucesso em versão reduzida

Da Redação

23/05/2019 às 16h19

Foto: Shutterstock

Cientistas do Reino Unido conseguiram criar, pela primeira vez, em laboratório um organismo vivo com código de DNA completamente sintético. Liderado por pesquisadores do Laboratório de Biologia Molecular, o estudo representa um marco na engenharia genética que pode impulsionar avanços no tratamento de doenças e no desenvolvimento de medicamentos.

A pesquisa levou dois anos para redesenhar o material genético da bactéria Escherichia coli, normalmente encontrada no intestino humano, e criar uma nova versão.

O genoma artificial é o maior já construído na história da ciência. Possui 4 milhões de pares de bases nitrogenadas (G, A, T e C). As letras do DNA são combinadas em trio dentro das células, sendo que há 64 combinações possíveis (códons), que formam 20 aminoácidos. Os pesquisadores fizeram mais de 18 mil trocas e conseguiram reescrever o código genético da bactéria, com apoio de computadores, utilizando 61 códons.

"Não estava claro se era possível fazer um genoma tão grande e se era possível mudá-lo tanto", declarou Jason Chin, especialista em biologia sintética que liderou o projeto, em entrevista ao The Guardian.

Os resultados da pesquisa, publicada na revista Nature, deram origem a um microorganismo com um código de DNA completamente alterado – é a primeira vez que o DNA é recriado com sucesso em uma versão mais reduzida. Batizado de Syn61, o organismo é um pouco mais alongado que o normal e cresce mais lentamente.

Os cientistas acreditam que essa recriações de organismos podem ser extremamente úteis pois, como seus DNAs são diferentes, são mais resistentes a vírus. Novos estudos serão conduzidos para decifrar os benefícios desses organismos sintéticos.

 

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail
Vai um cookie?

A IT Mídia usa cookies para personalizar conteúdo e anúncios, para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar, você aceitará o uso. Para mais detalhes veja nossa Política de Privacidade.

Este anúncio desaparecerá em:

Ir para o site