Fazer login no IT Mídia Redefinir senha
Bem-vindo de volta,
Digite seu e-mail e clique em enviar
Ainda não tem uma conta? Cadastre-se
Logo ITMidia
Logo ComputerWorld
Logo PCWorld
Logo CIO
Logo ITForum
Salvar em Nova pasta de favoritos

+

Criar pasta
Últimos favoritos Ver todos
Últimas notícias do conteúdo : Ver todos
Carne que não é carne? Startups brasileiras estão revolucionando setor alimentício
Carne que não é carne? Startups brasileiras estão revolucionando setor alimentício
Home > Inovação

Carne que não é carne? Startups brasileiras estão revolucionando setor alimentício

Para reduzir impacto ambiental, foodtechs estão desenvolvendo alimentos sem ingredientes de origem animal. Tema será discutido durante IT Forum X

Da Redação

07/10/2019 às 17h44

Foto: Shutterstock

As foodtechs estão revolucionando a forma de produzir e consumir alimentos. Com base na tecnologia, essas startups vêm proporcionando experiências mais ágeis, saudáveis e sustentáveis para a população.

De acordo com a Foodtech Movement, o Brasil já conta com, pelo menos, 180 empresas no segmento. Por se apresentar como um modelo de negócios promissor, investidores de todo o mundo já estão demonstrando interesse no mercado.

Uma das foodtechs brasileiras que vem ganhando maior destaque é a Fazenda Futuro, que se tornou famosa por desenvolver hambúrgueres feitos de plantas que imitam a carne bovina – o que rendeu à companhia um valor de mercado de mais de US$ 100 milhões.

Em apenas seis meses de operação, a startup vendeu mais de 2 milhões de hambúrgueres vegetais. Com o crescimento da companhia, o cardápio já está sendo ampliado. Até o final deste ano, a Fazenda Futuro também contará com carne moída, almôndega e salsicha, tudo sem ingredientes de origem animal.

Já a startup chilena NotCo, conhecida no Brasil pela maionese NotMayo, que também é totalmente feita com base em vegetais, tem ganhado espaço em diversos países. Em 2020, a companhia expandirá suas operações para o México e os Estados Unidos, onde já tem acordo de food service firmado com a Google. Além da "não-maionese", a startup terá em seu cardápio leite e sorvete vegetais.

Outro exemplo de foodtech é a Cervejaria Pratinha, que desenvolveu a Pratinha Magic Booze, bebida alcoólica mista comercializada em mini-garrafas de 50ml.

Como pode ser observado, a tecnologia tem permitido mudanças importantes no mercado. Reduzindo o impacto ambiental e buscando formas de atender a demanda por alimentação de uma população mundial cada vez maior, as foodtechs aparecem como uma das maiores promessas do mercado para os próximos anos. Pensando em apresentar as tendências do setor, especialistas abordarão o tema durante o painel "O futuro da comida e as foodtechs", que acontecerá no dia 16 de outubro durante o IT Forum X. A 7ª edição do evento receberá mais de 250 palestrantes em diferentes palcos e praças de conteúdo. O tema principal desse ano será “Eu 5.0”, que busca posicionar o ser humano no centro da discussão tecnológica.

Para falar sobre o assunto estarão presentes:

Rodrigo Iafelice dos Santos, Solinftec

Cidadão brasileiro e português, possui mais de 22 anos de experiência internacional nos setores de agronegócios e alimentos. Atuou como Top Manager em players de classe mundial, além de ter iniciado e criado com parceiros uma empresa multinacional, IPOed no Luxemburgo e no Brasil em 2007. O executivo conduziu negócios em mais de 50 países, viveu na Europa por 7 anos e na Argentina por 3 anos, onde foi CEO de uma empresa de agronegócio responsável também por operações no Uruguai, Paraguai e Bolívia. Rodrigo Iafelice dos Santos é formado em Finanças Corporativas pela London Business School, possui mestrado em Negócios Internacionais pela Haute École de Commerce, de Paris, França, e hoje é CEO da Solinftec.

Giuliano Bittencourt, Be green

Giuliano Bittencourt é CEO da Be green. Formado em Administração Pública e com MBA em Administração de Empresas, o executivo trabalhou na criação de projetos inovadores, reestruturação organizacional, estratégia, startups e na reformulação de modelos de negócios.

Amanda Pinto, N.ovo

Amanda Pinto é Head de Inovação e Marketing do Grupo Mantiqueira, graduada em Administração pela PUC-Rio e pós-graduada em Marketing pela UC Berkeley (Califórnia). Começou a pesquisar mais sobre o mercado plant based após participar do Global Summit da Singularity University em 2017, e desde então vem se dedicando ao desenvolvimento desse mercado.

O painel será mediado por Renata Zanuto, Head de Ecossistema e Startups do CUBO. Com mais de 10 anos de mercado e atuação na IBM, onde liderou a área de Developer Ecosystem & Startups, desde 2017 a executiva faz parte do time do Cubo Itaú, à frente das conexões com as startups. Hoje, é cogestora do hub e é responsável pelo relacionamento com startups residentes e do ecossistema para gerar valor e negócios ao mercado. É formada em Administração de Empresas pela PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo), com especialização em Gerenciamento Estratégico & Marketing pela University of LA Verne (EUA) e Pós-graduada em Marketing pela ESPM (Escola Superior de Propaganda e Marketing).

O IT Forum X acontecerá nos dias 16 e 17 de outubro no Transamérica Expo Center, em São Paulo. Outros temas como big data, metodologias de aceleração, cidades inteligentes, 5G e conectividade serão abordados durante o evento. Para mais informações, clique aqui.

 

Tags
Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail
Vai um cookie?

A IT Mídia usa cookies para personalizar conteúdo e anúncios, para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar, você aceitará o uso. Para mais detalhes veja nossa Política de Privacidade.

Este anúncio desaparecerá em:

Fechar anúncio