Fazer login no IT Mídia Redefinir senha
Bem-vindo de volta,
Digite seu e-mail e clique em enviar
Ainda não tem uma conta? Cadastre-se
Logo ITMidia
Logo ComputerWorld
Logo PCWorld
Logo CIO
Logo ITForum
Salvar em Nova pasta de favoritos

+

Criar pasta
Últimos favoritos Ver todos
Últimas notícias do conteúdo : Ver todos
As piores panes da internet em 2008
As piores panes da internet em 2008
Home > Internet

As piores panes da internet em 2008

São Paulo - O ano ainda não acabou, mas o IDG Now! compilou as piores 'baleiadas' online de 2008.

Redação do IDG Now!

27/08/2008 às 19h46

Foto:

panes_internet_88.jpgEste ano milhares de internautas foram lembrados, de formas nada agradáveis, do quanto o trabalho e a vida pessoal dependem de uma simples conexão, uma busca, e-mails ou da troca de informações na web 2.0.

Certamente, a expectativa dos internautas está crescendo em relação a serviços online e muitos deles mostraram que precisam se estruturar para conseguir segurar a onda.

Confira uma cronologia das principais panes em serviços de internet que geraram pânico entre usuários no Brasil e no mundo.

A baleia do Twitter
Quando: 15 de janeiro
O que aconteceu: Não é de hoje que a gíria “baleiar” tornou-se um sinônimo de serviço online fora do ar e uma das principais causas aconteceu em 15 de janeiro, durante a Macworld 2008 em que a Apple introduziu o Macbook Air.

As sucessivas quedas no serviço de microblogging, que exibe imagem de uma baleia sendo carregada por passarinhos, quando está fora do ar, tornaram-se cada vez mais freqüentes desde abril deste ano, quando o serviço havia registrado um aumento anual de 8 vezes em sua audiência.

Durante períodos de instabilidade, o Twitter desativou funções como acesso a aplicações de suporte e até a barra de “respostas” do site, para reduzir a carga.

Em junho, o Twitter recebeu uma nova rodada de investimentos, em um valor estimado de 15 milhões de dólares, que incluiu investidores como Jeff Bezos, fundador da Amazon.com. No mês seguinte, a empresa adquiriu o buscador Summize, que trouxe novas funções à comunidade. No entanto, as sucessivas “baleiadas” já levaram usuários para o concorrente, FriendFeed.
++++
Amazon.com fecha a lojinha
Quando: 06 de junho
O que aconteceu: O dia 6 de junho de 2008 viu o que poucos achavam ser possível: a gigante de e-commerce Amazon.com, com uma infra-estrutura poderosa o suficiente para que a empresa venda armazenamento extra no S3, ficou totalmente fora do ar por seguidas horas.

Incrivelmente, o serviço voltou a sofrer problemas de instabilidade e ficou fora do ar por horas novamente três dias depois da pane original, resultando em prejuízo foi estimado em 16 mil dólares por minuto.

Firefox 3 atrasado para a festa
Quando: 17 de junho
O que aconteceu: A Mozilla gerou bastante barulho para lançar a terceira versão do browser Firefox, com a meta de atingir um milhão de downloads no primeiro dia de lançamento.

A estratégia inclui a inserção da marca no Guinness Book e festas em todo o mundo para celebrar a atualização. No entanto, na data e hora marcadas para o Download Day, em 17 de junho, o Firefox 3 não chegou a tempo.

O download do Firefox 3 foi iniciado com algumas horas de atraso e muitos internautas ávidos pelo update ou não conseguiam acessar o site - quem chegou ao download enfrentou lentidão no acesso e observou alguns escorregões.

Diante da sobrecarga, a Mozilla modificou a meta de downloads para as 24 horas após a oferta do browser. Segundo o site do Download Day 2008, o Firefox 3 foi baixado 8,39 milhões de vezes nas primeiras vinte e quatro horas em que esteve disponível para download.

A Telefônica e o dia em que São Paulo parou
Quando:03 de julho
O que aconteceu: no dia 3 de julho, um bug de origem até então desconhecida nas redes da Telefônica teve conseqüências além da incapacidade de ler e-mails ou ver qual amigo seu está online.

A falha tirou do ar o atendimento de serviços essenciais, como delegacias da Polícia Civil, unidades do Detran e Poupatempo, a Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo e bancos privados que dependiam da banda larga da operadora.

Mais de três semanas após o problema, relatório do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações de Campinas (CPqD) apontou como responsável pela pane uma falha conjunta entre hardware e software em roteadores no interior de São Paulo.

A inoperância da sua rede de banda larga por cerca de 36 horas causou nada menos que 24 milhões de reais de prejuízo à Telefônica, já que a provedora foi forçada a isentar do pagamento o equivalente a cinco dias de serviço de todos os clientes afetados pela pane.
++++
A nuvem do Google troveja
Quando: 08 de julho
O que aconteceu: As ferramentas de produtividade online evoluíram em funcionalidade, mas a preocupação com a oferta do serviço no ar ainda é uma pedra no sapato para empresas como o Google, na corrida para conquistar usuários do Office, da Microsoft.

O temor dos usuários tornou-se realidade em uma manhã de 8 de julho, quando os aplicativos do Google Docs ficaram ‘offline’ por 45 minutos, o suficiente para gerar pânico entre usuários norte-americanos.

Além do pedido de desculpas, o Google oferece o Google Gears, que permite o acesso offline para um crescente número de aplicações de seu pacote. Certamente, os usuários que ficaram na mão passaram a ativar o Gears.

MobileMe: a pressa é inimiga da conexão
Quando: 10 de julho
O que aconteceu: A Apple lançou seu iPhone 3G com um novo serviço de sincronização de dados que substituiu o .Mac.

Infelizmente, conforme admitiu Steve Jobs, a empresa deveria ter esperado mais um pouco antes lançá-lo (e deixar usuários na mão). Em 10 de julho,  muitos assinantes ficaram sem acesso a serviços críticos como e-mail por mais de 7 horas.

Além do mea culpa de Jobs, a Apple prometeu oferecer 60 dias de acesso grátis ao MobileMe. Os usuários agradecem, se o serviço se mantiver estável.

Nuvens cinzentas para a Amazon
Quando: 20 de julho
O que aconteceu: Em 20 de julho, uma falha no sistema de armazenamento S3, da Amazon, fez com que serviços de interação e blogs como Twitter, Smugmug e The Huffington Post sofressem com instabilidade, incluindo problemas na exibição de imagens.

O problema foi mais crítico para usuários destes serviços nos Estados Unidos e na Europa e desequilibrou a confiança no modelo de “cloud computing” da Amazon.

Na época, o Chief Technology Officer da empresa, Werner Vogels, reforçou que os servidores do S3 ainda eram mais confiáveis do que qualquer servidor próprio dos serviços online.
++++
Meu Orkut, minha vida
Quando: 21 de julho
O que aconteceu: A pane da Telefônica não havia completa nem três semanas quando outra falha de serviço deixou os brasileiros em polvorosa ainda maior. Na tarde do dia 21 de julho, a rede social Orkut, sucesso retumbante apenas no Brasil e na Índia, saiu do ar por causa desconhecida.

No início da tarde do mesmo dia, usuários começaram a reclamar de contas trocadas ao tentar acessar a rede social, o que forçou o Google a tirar a rede social do ar apenas para os brasileiros no começo da noite.

O Orkut ficou fora do ar no Brasil por mais de onze horas, quase um terço do período em que a rede do Speedy ficou inacessível no mesmo mês.

Um estranho ao sucesso do Orkut no Brasil, porém, poderia imaginar que a rede estava fora do ar há semana, dada a reação apaixonada de seus usuários.

Entre milhares de reclamações de usuários frustrados no Twitter e informações desencontradas que davam como certo que a "manutenção não periódica" alegada pelo Google Brasil tinha relação com o fechamento do serviço, os brasileiros provaram o quanto enraizado o Orkut está em seus hábitos online.

Com o Orkut restabelecido, o Google Brasil veio a público afirmar que a pane tinha relação com um problema no sistema de cadastramento de novos perfis - o bug fez com que novos usuários tivessem acesso a dados pessoais de quem já estava inscrito na rede social.
++++
Cuil em busca de um caminho
Quando: 27 de julho
O que aconteceu: Criado por ex-engenheiros do Google, o buscador Cuil gerou alarde entre os internautas posicionando-se como o grande rival do gigante do setor.

No entanto, em 27 de julho, quando foi lançado, com a meta de indexar mais páginas do que o Google, o Cuil ofereceu aos internautas menos ou nada do que buscavam.

Os criadores argumentaram que os milhões de usuários que acessaram o Cuil estavam tão ‘ansiosos por deixar o Google’ que sobrecarregaram a ferramenta de buscas e pediram tempo.

A primeira impressão parece ter ficado e o novo buscador tem um longo caminho a percorrer. Segundo a Hitwise, o Cuil registrou uma participação de 0,007% no mercado norte-americano e a participação está caindo.

O Google, por outro lado, atingiu 70,77% de todas as buscas online feitas a partir dos EUA no mês de julho.

A mensagem de erro do Gmail
Quando: 12 de agosto
O que aconteceu: Na tarde de 12 de agosto, usuários em busca de novas mensagens no webmail gratuito do Google encontraram apenas uma mensagem - a de erro.

O Gmail ficou fora do ar por algumas horas e gerou pânico no Twitter, que não "baleiou" desta vez. O Google se desculpou no dia seguinte e informou que problema foi gerado por uma falha no sistema de contatos do serviço.

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail
Vai um cookie?

A IT Mídia usa cookies para personalizar conteúdo e anúncios, para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar, você aceitará o uso. Para mais detalhes veja nossa Política de Privacidade.

Este anúncio desaparecerá em:

Ir para o site