Fazer login no IT Mídia Redefinir senha
Bem-vindo de volta,
Digite seu e-mail e clique em enviar
Ainda não tem uma conta? Cadastre-se
Logo ITMidia
Logo ComputerWorld
Logo PCWorld
Logo CIO
Logo ITForum
Salvar em Nova pasta de favoritos

+

Criar pasta
Últimos favoritos Ver todos
Últimas notícias do conteúdo : Ver todos
7 boas práticas para tornar o seu e-commerce lucrativo
7 boas práticas para tornar o seu e-commerce lucrativo
Home > Inovação

7 boas práticas para tornar o seu e-commerce lucrativo

Segmento tem atraído atenção de muitos empreendedores. Entretanto, é preciso ter atenção com alguns erros comumente cometidos

Da Redação

26/07/2019 às 11h37

Foto: Shutterstock

O comércio eletrônico no Brasil tem crescido muito e a perspectiva para os próximos anos é positiva. De acordo com a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), o setor deve atingir um volume de vendas de R$ 79,9 bilhões em 2019, e este valor deve representar um crescimento de 16% em comparação com o ano anterior. O estudo aponta também que o tíquete-médio deve ser de R$ 301, com um total de 265 milhões de pedidos efetuados durante todo o ano. Já o número de lojas totalizará em 87 mil.

Devido a alta demanda, o segmento tem atraído a atenção de muitos empreendedores. Entretanto, é preciso ter atenção com alguns erros que são comumente cometidos que podem influenciar diretamente no sucesso do negócio. Para empreender no e-commerce, há uma série de ferramentas e ações que contribuem com a sustentabilidade e lucratividade dos negócios. Abaixo, elencamos soluções que ajudam empreendedores a ter boas práticas para tornar uma loja online rentável e referenciada.

1. Tenha uma plataforma eficiente

O primeiro passo para abrir um e-commerce é escolher a plataforma da sua loja. Mas, antes de mais nada é preciso conhecer o seu negócio, traçar o seu objetivo e identificar as suas necessidades. Para que ela seja efetiva e responsiva ela precisa ser ter alguns elementos chaves como ser multiplataforma, ter um layout adaptável, estrutura customizável, multifunções, permitir que as tarefas sejam automatizadas para agilizar os processos, oferecer uma gama de opções de pagamento e ter um preço acessível. No Brasil, as empresas EZ Commerce, Shopify, Nuvem Shop, Tray, Magento e WooCommerce oferecem soluções nesta área.

2. Crie um bom relacionamento com o seu cliente

O atendimento ao cliente atualmente é um grande diferencial, principalmente, porque o consumidor se tornou muito mais empoderado e passou a escolher as marcas que vai usar baseado na experiência. “A minha dica para quem vai investir em um e-commerce é: seja ominichannel. Ter diversos canais integrados e a capacidade de reunir informações em todos os pontos de contato possíveis, por meio de uma única interface, é fundamental, já que os clientes não precisarão repetir milhares de vezes suas informações pessoais, diminuindo consideravelmente as barreiras de atendimento", afirma Albert Deweik, CEO da NeoAssist, plataforma omnichannel para relacionamento com o cliente.

3. Aposte em soluções antifraudes eficientes

Uma boa solução antifraude não deve se limitar a barrar compras suspeitas, e isso deve estar na cabeça de qualquer lojista que pretenda obter sucesso. Uma ferramenta eficiente deve ter como objetivo alcançar um equilíbrio entre alta aprovação de pedidos diante do menor risco possível. "Muitos profissionais acreditam que a meta de uma boa operação de análise de risco é chegar ao índice de fraude zero, mas este é o maior canto da sereia do e-commerce. Para que este índice aconteça, o lojista paga um preço muito caro: um alto número de falsos-positivos - pedidos legítimos que são indevidamente barrados por suspeita. Ou seja: a loja abre mão de realizar várias vendas boas e deixa de ganhar uma fatia enorme de faturamento - muito maior do que o eventual prejuízo que teria com uma ou outra transação fraudulenta", explica Tom Canabarro, co-fundador da Konduto.

4. Ofereça novas formas de pagamento ao seu cliente, com soluções voltadas aos desbancarizados

Segundo o IBGE, o Brasil registra hoje mais de 60 milhões de pessoas sem conta em banco. Por isso, é de extrema importância que os e-commerces estejam atentos aos movimentos globais, oferecendo aos consumidores formas de pagamento que atendam ao imediatismo do ambiente online. Entre as fintechs que oferecem soluções para empreendedores online está a PagBrasil, que tem produtos próprios como o Boleto Flash, solução de boleto que oferece confirmação de pagamento em menos de 1 hora - e o PEC Flash, mais recente lançamento que permite o pagamento de compras digitais via dinheiro físico. Além de soluções em boleto, a empresa oferece os principais métodos de pagamento online , cartão de crédito nacional com opção de parcelamento e pagamentos recorrentes, cartão de débito doméstico e transferência online bancária.

5. Invista em uma jornada de compra eficiente

É importante oferecer um excelente atendimento durante todo o processo de venda. “Reforce a estrutura do site para aumentar os acessos, focando sempre na experiência do consumidor, confira se você tem em estoque todos os produtos oferecidos e posicione o cliente sobre todas as etapas da compra”, afirma Eduardo Fonseca, CMO da DIWE, agência de profound marketing do país. Segundo Eduardo, é importante ressaltar que o processo não termina por aí. “Após a entrega, invista no relacionamento com o cliente envie conteúdo e peça feedback (ouça/leia com atenção o que ele mandar), demonstre que ele é importante para a sua empresa”, conclui.

6. Combata a reviews falsos

Antes de finalizar uma compra, as pessoas costumam pesquisar sobre a reputação da loja nas redes sociais e nos comentários feitos no e-commerce sobre os produtos. Mas, para que isso ocorra é preciso prezar pela qualidade de entrega, cumprir o que for combinado e antecipar os desejos de cada consumidor. De acordo com a Tatiana Pezoa, CEO da Trustvox, é importante que os lojistas sejam sinceros e transparentes com os consumidores, pois muitos acham que moderar os seus reviews garante o aumento das vendas, mas eles estão enganados, ser sincero é a base de tudo.

7. Analise estrategicamente os dados

É importante que se tenha empatia e entenda bem as entrelinhas dos dados, a fim de desenvolver estratégias que respondam, de fato, aos anseios dos consumidores. “Um exemplo é a forma como pode ser conduzida a arquitetura de portfólio, realizando pesquisas frequentes com a base de clientes, cruzando os resultados com dados que os próprios consumidores fornecem na sua interação diária com os canais da marca”, explica Aline Nitro, Head de Branding da Liv Up, startup de alimentação saudável. Para o sucesso, a escuta deve ser atenta e levar a aprendizados contínuos. “Além disso, a marca sempre deve estar preparada para mudar amanhã mesmo, se identificar um erro de percurso no seu desenvolvimento”, finaliza Nitro.

 

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail
Vai um cookie?

A IT Mídia usa cookies para personalizar conteúdo e anúncios, para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar, você aceitará o uso. Para mais detalhes veja nossa Política de Privacidade.

Este anúncio desaparecerá em:

Ir para o site